Espaço Laboral


Conteúdo do site


Titulo

Fique atento ao peso da mochila do seu filho!

Foto  Crianças que carregam mochilas muito pesadas correm o risco de sentir dores nas costas, desenvolver postura incorreta, apresentar desvios na coluna vertebral e alterações no modo de caminhar.

       Isso acontece porque o esqueleto infantil ainda está em formação e, portanto, é maleável. Aliado a este fato, o peso exagerado das mochilas escolares gera uma sobrecarga mecânica no corpo dos estudantes que os leva a fazer um esforço além do que podem suportar e, conseqüentemente, traz transtornos como estresse muscular e dores.

       Quando a mochila é pesada, a criança tende a inclinar a cabeça para frente para compensar o peso da mochila. o que sobrecarrega os músculos do pescoço e da coluna, aumentando a fadiga e o risco de lesão. E se for usada sobre apenas um dos ombros, o estudante pode inclinar-se para o lado oposto, numa tentativa de compensar a carga, podendo desenvolver, neste caso, dor na regiaõ superior das costas, ombros e pescoço. É preciso ter cuidado também com mochilas que possuem alças muito estreitas, pois podem interferir na circulação e na inervação dos membros superiores causando formigamentos e fraquezas nos braços e nas mãos.

       Além disso, o peso que muitas crianças carregam causa patologias que, com o passar dos anos, tornam-se difíceis de tratar. Entre elas a escoliose, que é o desvio lateral da coluna caracterizado pelo formato de "S" e a cifose, que é o aumento anormal da curva dorsal, e "ombros para frente".

      Muitas vezes uma pequena imperfeição da coluna é agravada pelo peso diário do acessório, portanto alguns cuidados são necessários:

•O peso das mochilas não deve ultrapassar o limite de 10% do peso da criança, ou seja, uma pessoa de 30 Kg não pode carregar uma mochila com mais de 3 Kg de material escolar;

•As mochilas devem ser carregadas com as alças nos dois ombros para que a carga fique distribuída e os estudantes que optarem pelas bolsas do tipo "carteiro" devem alternar os lados em que conduzem o material;

•Uma mochila segura possui alças largas e acolchoadas sobre os ombros, um cinto na cintura ou no tórax para distribuir o peso mais uniformemente e uma largura que não deve ser maior que o dorso da criança;

•Muitos pais não observam se as crianças carregam materiais além daqueles exigidos pela escola diariamente, ou seja, não fiscalizam as mochilas. Eis aí uma tarefa para os pais, além de checar o caderno do filho: verificar o peso da mochila;

•Nas mochilas com rodas é preciso cuidado com a alça do carrinho, que deve estar a uma altura aproveitada. As costas da criança devem estar retas ao puxá-la;

•Coloque as coisas mais pesadas junto às costas da criança, ou seja, na parte de trás da mochila. Também disponha os livros e outros materiais de uma forma que não fiquem soltos, provocando movimentos e desequilíbrio;

•O fundo da mochila deve ficar apoiado na curva da zona lombar. Nunca deve ficar a mais de 10cm abaixo da região da cintura da criança;

•Ajuste as alças de modo que a mochila se adapte totalmente às costas, ficando encostada e sem folga. Uma mochila solta nas costas pode puxar o corpo para trás e forçar os músculos, além de fazer a criança curvar os ombros para facilitar o equilíbrio da pasta sem apoio;

•A substituição de cadernos por fichários também pode ser um alívio.

     
        É preciso ficar atento, pois a partir do momento em que as crianças reclamam de dores musculares constantes, que as impedem de brincar e se divertir, é um sinal de alerta para a existência de problemas de coluna e a orientação de pais, professores e das próprias crianças é o melhor caminho para corrigir a postura dos escolares e evitar que eles sofram, mais tarde, com dores na coluna. 

Andressa Bresolin.

Fonte: Plena fisioterapia

Todos os artigos sobre saúde